Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

SUPERar-se em retorno

(...) «O homem é uma corda estendida entre o animal e o SUPER-humano – uma corda sobre um abismo.
É perigoso transpor o abismo – é perigoso ir por este caminho – é perigoso olhar para trás – é perigoso ter uma tontura e parar de repente!
A grandeza do Homem está em ele ser uma PONTE e não uma meta
… Ai! Aproxima-se o tempo em que o homem já não lançará por sobre a humanidade a seta do seu desejo, em que a corda do seu arco terá desaprendido de vibrar…
… Ai! Aproxima-se o tempo em que o homem se tornará incapaz de gerar uma estrela dançante. Ai! O que se aproxima, é a época do homem mais desprezível, do que nem se poderá desprezar a si mesmo…»
(…) Uma coisa é o ABANDONO, e outra a SOLIDÃO; eis o que aprendeste agora! E que entre os homens te sentirás sempre um estranho, um bárbaro,
_ estranho e bárbaro mesmo que te amem; porque, primeiro que tudo, querem ser tratados com
indulgência
!
Mas aqui estás no teu lar, na tua casa; aqui podes dizer tudo e espraiar-te à tua vontade; aqui ninguém se envergonha de sentimentos ocultos e tenazes.
Aqui todas as coisas se aproximam acariciadoramente do teu apelo, e amimam-te; porque querem subir para o teu ombro. Todos os símbolos são bons para te levar à conquista de todas as verdades.
Aqui podes falar a todas as coisas, com rectidão e franqueza; e na verdade falar-lhes com rectidão é uma lisonja para os seus ouvidos!
Mas outra coisa é o ABANDONO.
(...)
(…)
_ tu dizias então: “guiem-me os meus animais! Constatei que é mais perigoso viver entre os homens do que entre os animais.” – Isso, era o ABANDONO!
(…)
_ até ao dia em que acabaste por ser o único sequioso no meio de pessoas bêbedas, e te puseste a gemer de noite: ‘Não haverá mais felicidade em aceitar do que em dar? E mais felicidade em roubar do que em aceitar?’ E isso era ABANDONO!
_ essa hora que te desgostou da tua espera e do teu silêncio, e que se desencorajou o teu humilde silêncio – isso era ABANDONO!
Nós não nos interrogamos, não trocamos queixas, passamos muitas vezes lado a lado pelas portas abertas.
(…)
Entre eles tudo fala, tudo se esvai em palavras. E o que ainda ontem parecia demasiado coriáceo para o tempo e para o dente do tempo, pende hoje gasto e roído das maxilas dos homens de hoje.
Ó singular natureza humana! Estrondo das ruelas obscuras! Agora que vos deixei atrás de mim, o meu maior perigo já passou!
Poupar homens, ter piedade deles – tal foi sempre para mim o maior perigo; porque tudo o que é humano pede para ser poupado e tolerado.
Pleno de verdades dissimuladas, com mão dúplice e coração dúplice, rico em pequenas mentiras piedosas, como tal vivi sempre entre homens.

(…) Em sonho, no meu último sonho da madrugada, encontrava-me hoje de pé num promontório, para além do mundo, e com uma balança na mão, pesava o mundo.
(…) Qual é a PONTE que leva do outrora para agora? Qual é a força que compele o que é alto a abaixar-se? E como se pode obrigar a subir ainda mais o que há de mais elevado?
Eis que a BALANÇA em equilíbrio se imobiliza. Lancei nela três pesados problemas; o outro prato sustém três pesadas respostas.
Voluptuosidade: aguilhão, farpa na carne de todos os detractores do corpo, sobre os seus cíclicos; amaldiçoada como «mundo» por todos os que acreditam no outro mundo, porque ri e moteja de todos os professores da desordem e do erro.
Voluptuosidade: veneno adocicado, mas apenas para o homem murcho; para as vontade leoninas o maior cordial, o vinho dos vinhos respeitosamente poupado.
Voluptuosidade: a grande felicidade que serve de símbolo a toda a felicidade superior, a toda a esperança superior. A tantas coisas, com efeito, é permitido o casamento, e mais do que o casamento,
_ a tantas coisas mais estranhas uma à outra do que o homem e a mulher –
e quem alguma vez compreendeu até que ponto o homem e a mulher são estranhos um ao outro?
(…) Paixão de domínio: tremor de terra que quebra e despedaça tudo o que é oco ou carcomido; avalancha destruidora que rola roncando e castiga os sepulcros caiados; relâmpago interrogador que surge ao lados das respostas prematuras.
Paixão de domínio: ante cujo olhar o homem rasteja e se torna mais humilde e mais servil e mais baixo do que a serpente ou o porco – até à hora em que nele acorda o grito do seu grande Desprezo.
Paixão de domínio: mas como chamar paixão a essa grandeza que condescende com o poder?
Que a grandeza solitária não queira ficar eternamente solitária a nutrir-se de si mesma, que a montanha se incline para o vale e que os ventos das alturas desçam para as planícies.
(…) E aconteceu também então – e na verdade foi pela primeira vez que sucedeu – que celebrou o egoísmo, o egoísmo intacto e são que tem a sua origem numa alma poderosa,
_ na alma poderosa à qual pertence um corpo realizado, belo, vitorioso, agradável aos olhos, do qual as coisas desejam ser o espelho,
_ um corpo flexível e sedutor, um dançarino que tem como símbolo e como expressão a alma que compraz consigo mesma.
(…) Despreza a sabedoria lamurienta – porque, na verdade, há também uma sabedoria que floresce na obscuridade, uma sabedoria de sombra nocturna que suspira continuamente: “Tudo é vão!”
(…) Ainda estima menos a servilidade solícita, os cães rastejantes que imediatamente se deitam humildemente de barriga para cima, porque existe também uma sabedoria humilde e servil, dócil e solícita.
(…) Quer a servilidade se destine aos deuses e às suas divinas cotoveladas, ou aos homens e às suas estúpidas opiniões humanas, este egoísmo bendito cospe com desprezo em qualquer servilismo, seja qual for.
(…) E seria essa virtude e chamar-se-ia virtude a tudo o que causa embaraço ao jogo do egoísmo!
(…) É preciso aprender a amar-se a si próprio… como um amor total e são, a fim de ficar preso a si mesmo em vez de vagabundear em todos os sentidos.
Esta vagabundagem intitula-se «amor ao próximo»; não há palavra que tenha servido para cobrir mais mentiras e hipocrisias, sobretudo por parte daqueles que se tornavam insuportáveis a toda a gente.
E na verdade,
APRENDER a amar-se, não é uma máxima aplicável a partir de hoje ou de amanhã. É, pelo contrário, de todas as artes, a mais subtil, … a arte suprema, e aquela que requere mais paciência.
O que possuímos está-nos sempre escondido; e de todos os tesouros é o seu próprio que todos desenterram em último lugar. Assim o quis o espírito da Gravidade.

É quase desde o berço que nos dotam com palavras pesadas, com valores pesados chamados «bem» e «mal», porque tal é o nome deste património. Pelo preço desses valores, desculpam-nos o facto de viver.
E se os homens deixam vir a si as criancinhas, é para as impedir a tempo que se amem a si próprias; tal é a obra do espírito da Gravidade.
Quanto a nós, arrastamos conscienciosamente aquilo com que nos carregaram, nos nossos duros ombros, para além de rudes montanhas. E quando estamos encharcados em suor, dizem-nos: “Sim, a vida é difícil de levar!”
Mas é apenas o homem que tem dificuldade em levar-se a si próprio. Porque arrasta às costas demasiadas coisas que lhe são estranhas. Como o camelo, ajoelha-se para se deixar carregar bem.

Sobretudo o homem vigoroso, resistente, cheio de respeito;
carrega às costas muitas palavras pesadas, pesados valores que lhe são estranhos – e a vida parece-lhe então um deserto.

(…) A satisfação fácil, que se acomoda com qualquer coisa, não é o melhor dos gostos! Louvo as línguas e os estômagos recalcitrantes e difíceis que sabem dizer «Eu» e «Sim» e «Não».
Mastigar e digerir tudo, porém – é bom para os porcos, na verdade. Berrar a torto e a direito sim e amen, é o que aprendem os burros e aqueles que se parecem com eles!
(…) Na verdade, também eu aprendi a esperar, mas a esperar-me a mim mesmo. E sobretudo aprendi a estar de pé, a caminhar, a correr, a saltar, a trepar, a dançar.
(…) Experimentar e interrogar é a minha maneira de avançar, e na verdade é também necessário APRENDER a responder a semelhantes perguntas. É esse o meu GOSTO,
_ esse gosto não é bem nem mau, é o meu gosto; não tenho vergonha dele e dele não faço mistério.
(…) Tal é a condição das almas nobres: não querem ter nada à custa de nada, e a vida menos do que qualquer outra coisa.
O homem vulgar quer viver sem nada em troca, mas nós a quem a vida se deu, pensamos sempre no que lhe podemos oferecer em troca.
E, na verdade, eis aqui uma nobre frase: “As promessas que a vida nos fez, cabe a nós – mantê-las!”
Não devemos procurar o prazer a não ser que tenhamos prazer a oferecer em troca. E não é necessário, regra geral, procurar o prazer!
O prazer e a inocência são tudo o que há de pudico no mundo, e devemos defender-nos de os procurar. É preciso possuí-los. Mais vale ainda procurar
a culpa e a dor!
(…) Foi na proximidade da má consciência que nasceu e se desenvolveu até agora toda a ciência. Quebrai, discípulos do Conhecimento, oh!, quebrai as antigas tábuas!
(…) “A sabedoria cansa – nada vale a pena – tu não cobiçarás” – encontrei esta nova tábua exposta até na praça pública.
Quebrai, eu vos conjuro, ó meus irmãos, quebrai também esta nova tábua! Os que a levantaram são pessoas que estão enfastiadas da vida, predicadores da morte, ou até carcereiros. Porque é uma predicação de servidão.
Eles não souberam aprender, não aprenderam bem, aprenderam muito cedo e muito depressa e por isso estragaram o estômago; não sabendo
comer; estragaram o estômago,
_ o seu espírito não passa de estômago doente, é ele que lhes
aconselha a morte! Porque na verdade meus irmãos, o espírito é efectivamente um estômago.
A vida é uma fonte de alegria; mas para o homem que deixa falar o estômago doente, pai de todas as aflições, todas as fontes parecem envenenadas.
Conhecer é uma
alegria para as vontades leoninas! Mas quando se está cansado, é-se apenas «desejado», é-se o brinquedo de todas as vagas.
E assim fazem todos os débeis, perdem-se no caminho, E o seu cansaço acaba por perguntar: “Porque é que nos pusemos alguma vez a caminho? Tudo é vão!”
Esses gostam de ouvir pregar: “Nada vale a pena! É preciso não querer nada!” Mas é uma prédica de servidão.
(…) Porque, a não ser que sejais doentes, desses seres gastos que a terra se cansa, não passais de arganazes cheios de astúcia ou de gatos gulosos e delicados, acaçapados nos cantos. E se não quereis tornar a correr alegremente, então ide para o diabo!
(…) Olhai este homem a morrer de sede! Falta-lhe apenas um passo para chegar ao fim, mas deitou-se desesperadamente na poeira, este valente!
Boceja de fadiga, boceja para o caminho, para a terra, para o seu objectivo e para ele próprio; não dará mais nenhum passo, este valente!
E o sol queima-o, e os cães aparecem para lhe lamber o suor; mas ali jaz obstinadamente e prefere deixar-se morrer,
_ morrer a um passo do fim! Na verdade, ser-vos-á necessário puxá-lo pelos cabelos para o elevar até ao seu céu, a esse herói!
Mais vale ainda deixá-lo onde se deitou, e que o sono venha reconfortá-lo, com um rumor de chuva refrescante.
Deixai-o jazer até que acorde por si mesmo, e por si mesmo renegue qualquer cansaço e tudo o que, nele, demonstrava cansaço.
Tende somente cuidado, ó meus irmãos, em afastar dele os cães, os animais dissimulados e rastejantes e toda essa canalha buliçosa,
_ esta canalha buliçosa das pessoas «ilustradas» que se regala com o suor dos heróis.

(…) Os bons indicaram-vos falsas margens e falsas seguranças; vós nascestes nas mentiras dos bons e nelas vos abrigastes. Tudo foi falsificado e distorcido pelos bons.
Mas o que descobriu esse país chamado «homem» descobriu também o país do «futuro humano». Quero que sejais de ora em diante navegadores ousados e pacientes.
Endireitai-vos a tempo, ó meus irmãos, aprendei a andar direito. O mar está agitado, mais de uma pessoa se tenta agarrar a vós.
O mar está agitado, tudo está no mar. Vamos, coragem, velhos lobos do mar!
Que importa o país dos nossos pais? Foi o país dos nossos filhos que fizemos rumo. É para ele que se lança o nosso impetuoso desejo, o nosso DESEJO imenso, mais tempestuoso do que o mar.

(…)
NIETZSCHE _ «Assim falava Zaratustra» _ GUIMARÃES EDITORES

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas