Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

Ouvir o céu

Em Outubro de 1992 – no deserto de Mojave e num vale de Porto Rico – demos início ao que foi de longe o programa de busca mais promissor, mais intenso e mais completo de inteligência extraterrestre (o SETI). Pela primeira vez, a NASA organizou e pôs em prática o programa. Todo o céu seria examinado ao longo de um período de 10 anos com uma sensibilidade e uma gama de frequências sem precedentes. Se, num planeta de qualquer dos 400 000 milhões de outras estrelas que constituem a Galáxia da Via Láctea, alguém tivesse estado a enviar-nos uma mensagem rádio, talvez tivéssemos tido uma boa hipótese de a ouvir.

Precisamente um ano mais tarde, o congresso acabou com tudo isso. O SETI não era de importância primordial; o seu interesse era limitado; era demasiado caro. Mas todas as civilizações da história da humanidade dedicaram alguns dos seus recursos à investigação de questões profundas sobre o universo e é difícil pensar numa questão mais profunda do que saber se estamos ou não sozinhos. Mesmo que nunca decifrássemos os conteúdos da mensagem, a recepção de um sinal desses transformaria a nossa perspectiva do universo e de nós mesmos. E, se conseguíssemos compreender a mensagem de uma civilização tecnicamente avançada, talvez os benefícios práticos fossem sem precedentes. Longe de ter uma base de apoio estreita, o programa SETI, fortemente impulsionado pela comunidade científica, também está inserido na cultura popular. O fascínio com este empreendimento é vasto e duradouro, e por muito boas razões. E longe, de ser demasiado caro, o programa teria custado aproximadamente o mesmo que um helicóptero de ataque por ano.

Pergunto-me porque motivo esses membros do Congresso preocupados com preços não dedicaram maior atenção ao Departamento de Defesa – que, com o fim da União Soviética e da guerra fria, continua a gastar, quando todos os custos são avaliados, mais de 300 000 milhões de dólares por ano. (E noutros sectores do governo há muitos programas que equivalem à segurança social para os ricos). Talvez os nossos descendentes olhem para trás, para a nossa época, e pasmem connosco – na posse da tecnologia para detectar outros seres, mas de ouvidos fechados porque insistimos em gastar a riqueza nacional para nos proteger de um inimigo que já não existe.

(págs. 397 – 398)

CARL SAGAN, O MUNDO INFESTADO DE DEMÓNIOS – A Ciência como Uma Luz na Escuridão (1995) - GRADIVA

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas