Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

POBRE por não ter ou PODRE por ter

A sociedade está doente. 
Existe um cheiro a podre, um cheiro a podre por todo o lado. 
Não um podre de quem não tem e porque o pouco ou nada nunca apodrece, mas um podre de quem tem muito, um podre de rico, um podre do muito acumulado numa só mão. 
São podres os que não se consideram pobres porque têm muito dinheiro, são podres os que usam o dinheiro na permissão de mais e mais pobreza. 
Os pobres não se pavoneiam na rua passeando, os pobres recolhem-se, escondem-se e não incomodam, esses não se vêem, e por isso parece que não existem pobres. 
Eu tenho vergonha de existirem pessoas podres de ricas.

E depois ainda existem os que embora ainda não podres, estão já cheios de pus, numa exagerada ambição de se tornarem igualmente uns podres de ricos. E acabou de se sentar aqui mesmo à minha frente um exemplo ou um espécime dessas. Embora ainda não podre de rico, é mais um (porque sim) que escreve e ganha a dizer mal dos outros, nas suas crónicas e livros, mas depois a sua ávida aspiração é a de viver unicamente como um podre de rico
É mais um que pensa que ser-se respeitado é ser-se podre de rico
Uns ricos pobres, esses que se ambicionam em suas vidas, virem um dia a ser, uns podres de ricos
E por isso o mundo cheira tão mal.
Escreve e pensa o que quiseres, mas não deixarás de ser um estragado e apodrecido, quando tuas atitudes se revelam demonstradoras de um pobre de espírito a te ambicionares um podre de rico
E estou-me a sentir mal com este cheiro, vou-me já embora!


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas