Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

Eles não merecem!

Eles não merecem!

É interessante, hoje à conversa com uma pessoa amiga, foi a frase que me ficou e me levou a escrever de imediato as palavras que se seguem e porque «Eles não merecem!».
Por isso, após ter desligado o telefone, fiquei a pensar e a fazer o meu balanço, nas quais pessoas que afinal merecem ou não ser consideradas. E acontece, sim acontece-nos a todos, que se não o fizermos, ou seja se não considerarmos em primeiro lugar os que deverão de ser apreciados, apoiados e ajudados, e porque merecem mesmo, por vezes somos sufocados, assim sem mais nem menos e a torto e a direito, por esses mesmos que não merecem nenhuma atenção e muito menos consideração. E o melhor a fazer a todos esses que não merecem nada, é deixá-los ficar longe, bem longe, é deixá-los por aí à deriva em suas ridículas e ricas barcaças de agigantados e adornados tamanhos de quais institucionais e vergonhosas reais ganas de tudo tentarem abarcar pelo quantitativamente. Deixá-los pois, por aí afundarem-se em suas soberbas e pesadas arrogâncias, e até o melhor mesmo é deixá-los conspurcarem-se na própria «
merda» que se arregalam de expelir todos os dias fora de si e de seus círculos e até onde não devem, façam-no longe e não lhes dêem sequer a oportunidade de provocar quão mau cheiro em arredores de qual pretensão de se assentarem por tudo o que é sítio, a arrotar todo o tipo de nauseabundices. Deixá-los ficar mas é, bem fechadinhos em seus palácios de sete chaves, muito maneirinhos e em que inteligentes sorrisos matreiros de tudo querer segurar à tais pesadas e férreas biqueiras que por calçadas de um uso de tamanho maior que o preciso. Eles não merecem e por isso, deixá-los lá, bem longe, sem se conseguirem mexer por tão presos às suas mesquinhas e congeláveis carapaças bem acondicionadas, deixá-los fecharem-se em suas idas longínquas de uma não-volta. Talvez assim, se venham a tornar os apreendidos de uma qualquer muralha ou em que terror separatista que os traduzirá, resumindo-os à ignóbil e cabal distância tão precisa de jamais precisarem de sentido do ser-se calorífero em plena invernia.


Photobucket

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas