Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

QUE AMOR - QUE ÓDIO




QUE AMOR

Revolta contra o Amor
Que é terno, que é frágil, que é belo
Ou revolta contra o ódio que não ama
Que apaga, que destrói, que é feio.

E após a destruição
Ainda se espera por um pouco
Só por um pouco do que ainda resta
Da sensível beleza fragilizada

Ainda e sempre com o mesmo nome
Amor
Esperado do nada
Transformado
Em esperança do resto do nada
Esperado
Ainda assim...

Onde estão as luzes apagadas
Que brilhavam
Iluminando todo o teu espaço




 


QUE ÓDIO

Insurreições de uma volta cíclica
E de quando em quando
Senta-se à mesma mesa do consumado amor
O resto do início esperado
Confunde todos os prenunciadores
De agora e de outrora
Instalado em suas regaladas instâncias
Coopera
E atreve-se a antever o dia seguinte
Ódio cúmplice de que amor libertado
Amor fechado em portas das sete chaves
Reis e rainhas alegraram-se em tantos ganhos capitais
E agora igualmente se traduzem em verbais
Conceitos da maior das leis consumíveis
Ódio do Amor ou amor por ódio



Poesia e Fotografia de ALICE VALENTE ALVES

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas