Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

ANTI-ÉDIPO ... [02] - o desejo e a vontade

Este post é em resposta aos pertinentes e valiosíssimos comentários que tiveram a amabilidade de deixar em >>> ANTI-ÉDIPO... [01].
Bem gostaria eu, de ter uma outra palavra, que pudesse ter a definição do que é DESEJO.
E porque não o faço em vão, continuarei a afirmar o que escrevi no comentário em ANTI-ÉDIPO... [01] sobre o que é para mim o DESEJO, da forma o mais simples possível. Exactamente para que haja um entendimento dessa mesma comunicação escrita nos vários tipos de vocabulário das diversas formações académicas, profissionais e sociais e, que nos assistem beneficamente nestas novas formas de procurarmos uma qualquer VERDADE única. E porque dela necessitamos para melhor vivermos uns com os outros, a igualmente tendermos para ela através do natural processo da evolução e até porque é da VERDADE que provimos (em devir). Embora a maior parte das vezes, nem sequer nos apercebermos dessa tal ordem-natural e até a negligenciamos conscientemente. E é neste estatuto de tantos pronunciados que o Desejo é constantemente acometido e sempre num qualquer outro uso de significados que não o seu. E como é esta a única palavra que temos, dentro dessas designações do que é o seu significado, irei assim com todo o cuidado dar-lhe o seu devido valor naquela que é para mim a crucial imagem do Desejo no lugar adentro desse mesmo sentido.


É habitual dizer-se: - Tens de ter força de vontade! E desde muito criança que eu perguntava a mim mesma, mas como é que se tem força de vontade, se há pessoas que não gostam do que estão a fazer em suas vivências? E observava as pessoas que não conseguiam ter essa tal de dita força de vontade e, não a tinham, precisamente porque não conseguiam ser elas mesmas, por tão hostilizadas ou porque com personalidades não combativas ou não agressivas e por sensíveis, a serem tidas de fracas, tinham sempre de se artificializar a serem obrigadas a imitar um qualquer modelo já existente e até a seguirem rumos de vida de contra-natura em suas formas de ser e estar.
E todas estas dúvidas resultaram no seguinte, sim até poderemos ter essa tal, de dita força de vontade, mas a valorizar para primeiro plano, o DESEJO e o DESEJAR . E o DESEJO o que é? Muito cedo comecei por entender que o Desejo era o Melhor ou a excelência do nosso interior (Pensar) e só conseguiríamos ter força de vontade se estivéssemos bem com essa tal interioridade ou esse TODO interior presente no DESEJO. Ao passo que tudo aquilo que nos era imposto pelos outros como obrigatório, a todos a níveis, para se viver em subsistência, social ou hierarquicamente, seria a tal de dita VONTADE. E essa Vontade, que os outros nos impunham poderia ser terrífica e poderia ser prejudicialmente perigosa, em que as pessoas tornavam-se tendencialmente más dependendo dos interesses e proveitos e muito raramente se tornariam boas, somente se houvesse uma contradição dessa Vontade a enaltecer o Desejo como prioridade. Os desejos ou o DESEJO são pois, tudo aquilo que de melhor existe dentro de nós ou seja, tudo aquilo de que somos feitos em VERDADE e se bem “alimentados” será então possível existir essa tal de dita Força de Vontade. E quando eu digo bem alimentados refiro-me ao ter-se a possibilidade de imaginar (sonhar), criar e cuidar, só presente no que é artístico e que por sua vez, se manifesta quer pela contemplação, concepção ou realização artísticas.

E a generalidade das pessoas (o povo) sempre utilizaram formas de compensar esta austeridade da Vontade que lhe era imposta pela sociedade, pelos outros em qualquer tipo de poder. Há poucas décadas atrás, os tempos livres eram ocupados com trabalhos manuais, com o tricot, com o crochet, bordavam, costuravam, cantavam e eles até faziam arranjos na casa e bricolage. Com a divisão ou não de tarefas em comunidade ou em família, sempre houve uma forma de compensação da hostilidade laboral presente na Vontade, através de trabalhos caseiros e (ou) artesanais, com alguma criatividade. Cuidava-se assim de quase tudo o que nos rodeava e das crianças principalmente, ensinando-lhes esta evolutiva e saudável forma de estar. Os tempos actuais levam-nos para o tempo perdido de nada se fazer e de nada se transmitir, o tempo da distracção e do passatempo, o tempo do lazer pelo gozo, o tempo de viajar e de tudo conhecer similar e rapidamente da forma mais homogénea possível a nada se aprender de novo. Mas e a mente? A mente tem de se ocupar criando, fazendo e aperfeiçoando. E o que se está a passar com a mente neste momento? Tudo está e é feito maquinalmente e têm de existir muitos, muitos produtos em muitos consumidores. E até surgiu a Psicanálise que ajudou ainda mais à afirmação desta consumação, somos assim, as tais máquinas desejantes que se refere Deleuze em ANTI-ÉDIPO. Em que o desejo em criatividade alterou-se com a ajuda da psicanálise para ser de tido numa maquinização do desejo por gozo em Poder da Vontade.
E o desejo relativamente à sexualidade e não só, para quem pensa a vida psicanaliticamente poderá estar a cometer um gravíssimo erro quando se declara que «o desejo é falta».
E nestes dois excertos do ANTI-ÉDIPO que se seguem (respectivamente da pg. 33 e da pag. 375) dá para exemplificar em como a psicanálise recorre ao Desejo tentando confundi-lo, a torná-lo exteriorizante e até a promiscuí-lo. É que o DESEJO (no singular) nunca é desejo de algo que falta, somente se lhe alterarmos o significado e o associarmos à Vontade (no colectivo) exteriorizante e objectiva, por poder em obstinada posse de objectos e coisas, tão usado no consumismo esquizofrénico e deprimente das actuais sociedades:

(…) Nunca Reich mostrou ser um tão grande pensador como quando se recusa a invocar o desconhecimento ou a ilusão das massas ao explicar o fascismo, e exige uma explicação pelo desejo, em termos de desejo: não, as massas não foram enganadas, elas desejaram o fascismo num certo momento, em determinadas circunstâncias, e isto é necessário explicar, essa perversão do desejo gregário (26)Todavia, Reich não chega a dar uma resposta capaz, porque restaura o que pretendia demolir, ao distinguir a racionalidade tal como existe, ou deveria existir no processo da produção social, do irracional do desejo, sendo apenas este que está sujeito à psicanálise.
(26) Reich, Psicologia de Massas do Fascismo
(…) A psicanálise tornou-se uma droga embrutecedora, em que a mais estranha dependência pessoal faz que os clientes esqueçam, durante o tempo das sessões no divã, as dependências económicas que os levaram lá (um pouco como a descodificação dos fluxos, que tem por consequência um reforço da servidão). Saberão eles o que fazem, esses psicanalistas que edipianizam mulheres, crianças, negros, animais? (…)
Em ANTI-ÉDIPO o que DELEUZE E GUATTARI nos propõem é pensar-se uma ontologia para além da Psicanálise e para além das categorias do sujeito e objecto. E porque o Desejo não é o que resulta de nossa interioridade reprimida pela sociedade.
Concordo assim com DELEUZE quando diz que o desejo pode sim ser fuga e não falta e, que é possível pensar um Desejo, não carecendo de nada.
E exactamente porque o DESEJO nem sempre necessita da Vontade, mas a Vontade essa sim, é que necessita de Desejo, para que exista a Vontade (em Boa-Vontade) para um Bem-Comum a todos.
A Escola, o Ensino e a Educação terão de se reger de outros moldes e é por isso que eu sou uma grande crítica da Psicologia e da forma como ela segue o seu caminho, e sobretudo critico a psicanálise, apoiando-me assim naqueles que a reprovam e que têm obra nesse sentido. Porque quando leio Melanie Klein, Lacan ou Freud são leituras pouco edificantes do ser. É como que tenhamos de ser obrigados a ter de nos sentirmos a mais à face da Terra. E se eu não penso o Desejo maquinal pelo papá-mamã dessa forma tão escabrosamente esquizofrénica de todos nos estarmos para aí sempre a olharmo-nos uns aos outros como deficientes e a ver onde estão os tais defeitozinhos a nos superiorizarmos uns aos outros pela falta, ou as insuficiências e carências lamechas, para ora virem dar pancadinhas nas costas ora virarem costas e entrar-se numa outra retórica, então quererá dizer que nada tenho a ver com as teorias de Freud e sinto-as absurdas e perigosas por tão indesejáveis. O que a Psicanálise faz é a desqualificação das potenciais capacidades de se pensar livremente. É uma dependência ou submissão a ideias ou conceitos opressivos de se SER.


E ainda sobre o DESEJO deixo-vos com a Proposição LX, de
BENTO ESPINOSA do seu Livro ÉTICA :
O DESEJO que nasce da alegria ou da tristeza que se refere a uma só ou algumas partes do Corpo e não a todas, não tem em conta a utilidade do Homem Todo.
E relativamente ao ANTI-ÉDIPO de GILLES DELEUZE e FÉLIX GUATTARI, refiro tal como fez Michel Foucalt, considerando-o como um Livro de ÉTICA.

Muito há para fazer nestas áreas das Humanidades e que considero essenciais para que não acertem passo com o que com elas próprias já não se acertam e com o que até sabem que está comprovadamente errado!
É uma questão de tempo! E aqui estamos todos nós para que essa comunicação exista, e quem sabe, até possa surgir uma outra palavra em antónimo à psicanálise e que possa dignificar o Ser, sem as tão habituais e assomadas fabricações de se pensar a não-Ser.



LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas