Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

o óbvio e a ARTE

A Arte não se apresenta pelo que é óbvio. Arte vai para além das fronteiras de tudo o que é óbvio. Por sua vez, tudo o que é óbvio jamais está inserido no que é Arte e por isso, esta só conseguir assomar-se nas margens das impositivas regras e amarras do que lhe é óbvio.
Ao se apresentar o resultado duma obra, ela porque precisa na sua forma de se exprimir e dar continuidade a outros actos ou processos de criação, propõe-se sempre à reflexão na inerência da sua inesgotável auto-reflexão.
O que é óbvio não exorta à reflexão ou ao acto de pensar. O óbvio ou o que é óbvio em si mesmo automatiza-se sem esclarecimentos, e que por conhecer-se de antemão em todo o seu percurso de um antes num depois que lhe é requerido, confina-se a uma condição de não-comunicação.
E uma obra de arte estima-se enquanto arte se o óbvio não se verificar. A partir do momento em que o óbvio transpareça numa obra de arte, imediatamente a peça que tida de obra deixará de o ser e reduz-se assim a uma qualquer situação de não-comunicação.

Embora exista uma consequente relação do óbvio com o visível do que é dizível nos resultados das afirmativas cientificidades, a arte essa comunga antes de mais, não com a aparência do que é óbvio, mas sim na consequente relação de uma objectividade que por intuitiva tornar-se sempre subjectiva e que jamais se deixará condicionar pelo que lhe é aparentemente óbvio.

É nesse mesmo visível de uma obra do que é dizível no indizível ou nessa mesma antecipada conexão objectiva que se torna sempre subjectiva, que o óbvio não tem lugar. Indizível esse que se regozija com o espaço de um novo por devir ou de tudo aquilo que vem ou virá, num benéfico presente da criação ou do que é criativo. E não ao que é relativo ao novo da novidade e do especulativo ou seja, da novidade pela novidade a aniquilar, a tropeçar e a tornar-se mortífero em si mesmo, isto é, pela quantia ou por um muito de uma quantidade num quantificável que se esgota, se consome ou se transforma em lixo do que é consentâneo por tão repetitivo em que disputas ou competitividades, tornando-se pois, uma atroz escassez para os demais em que demasia. A arte situa-se assim, num novo que é afecto ou relativo à criação ou ao movimento do acto criativo, processo esse, que é o da verdadeira comunicação do pensamento, a dar com toda a singularidade e qualitativamente, lugar e espaço a todos por igual.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas