Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

E a Terra rejeita

O Homem em suas estéreis e vãs ciências
Perdeu-se o sentido ético e o mundo desgovernado e mal "alimentado", entra em declínio. É que conhecimento, o dito conhecimento no conhecimento de agora ou esse tal de conhecimento daqueles conhecimentozinhos que só se querem unicamente associados a inteligíveis e negociáveis tecnicidades e porque de práticas desumanas se trata, converte tudo o que é humano num objecto abjecto, imóvel de si mesmo e a querer-se assim, tornar viável experimentalmente, todos os seres humanos às quais experiências e inventividades, ainda por comprovar. E aí estão os seres humanos tornados já e (ir)remediavelmente nuns grandes ratos laboratoriais em terra, sementes e comida controlada e nas mãos do maior monstro do negócio alimentar do mundo: a Monsanto.

E sobre essa alimentar nova forma ou ordenação para a Vida e para a Terra dos que em suas cientificidades insistem no uso de tais sementes transgénicas (ou OGMs), e ainda a quererem justificar que tais produtos geneticamente modificados poderão salvar o mundo da fome, é a palavra de ordem mais errada e tóxica que as enganosas publicidades alguma vez construíram.

A Monsanto é o maior monopolizador de alimentos do mundo e com os seus transgénicos (ou OGMs, os tais de organismos geneticamente modificados), quis, vejam só, salvar o mundo da fome. Que interessante ideia ou melhor, que belo negócio esse. E dando o quê em troca a esse mesmo mundo, outras sementes em sementes não mais reproduzíveis na terra, senão fechadas e feitas em dispensas laboratoriais, por quem quer que assim seja, em sementes fabricadas por encomenda, regadas com veneno, empacotadas e tudo feito assim mesmo, à medida do consumo, do imposto freguês, e do artificial quanto baste, é isso.

O maior dos erros da ciência ou dos tais descobridores deste novo conhecer ou em quais conhecimentos, é querer controlar e fechar em si mesmo, tudo o que descobre e para isso, lá se vai estrumando com a tal ideia: "o segredo é a alma do negócio". É que este erro de segredar à fome de uma faminta ideia de querer guardar-se só para si o que é de todos, e ainda neste caso, modificando genética ou laboratorialmente sementes, e a não permitir por sua vez que a Terra continue a cuidar dessas matérias e em suas sementeiras, é algo que com toda a certeza, mais tarde ou mais cedo, por feito ou por efeito, não terá mais lugar nessa mesma Terra.

E por sinal, há um mês atrás, soube desta notícia:


Uma área de plantação de milho transgénico na África do Sul, equivalente a 80 mil campos de futebol, não produziu um grão sequer. De um total de mil produtores de milho geneticamente modificado, 280 tiveram prejuízos na colheita. Alguns chegaram a perder até 80% da produção.
(…) Marian Mayet, directora do Centro Africano para Biossegurança, em Joanesburgo (África do Sul), defendeu uma investigação do caso pelo governo sul-africano e a proibição imediata do milho transgénico naquele país.


E agora vejamos, esta informação que recebi ontem, via email da lista_ambio e grupo_ogm, com o título "a natureza contra-ataca":
Milhares e milhares de hectares de terra previamente cultivada com soja Roundup Ready da Monsanto estão a ser abandonadas pelos agricultores americanos.
Razão: Uma variedade de amaranto que se tornou super-resistente ao herbicida Roundup, tomou conta desses terrenos e tornou impossível cultivar neles o que quer que seja. O amaranto é uma planta alta e com raízes profundíssimas, que só pode ser eliminada com muito trabalho manual. A ironia maior é que o amaranto é igualmente das plantas mais nutritivas que existem - era um dos principais alimentos dos Incas - devido à sua profusa produção de grãos (sementes) altamente proteícos e às suas folhas riquíssimas em nutrientes. E não precisa de fertilizantes, pesticidas ou água (tal como o cânhamo).

Como gesto de paz a mãe natureza envia-nos uma "praga" que é um super-alimento para que deixemos de cultivar soja transgénica. Mas o que acontece? Em vez de se prestar atenção à mensagem, milhares de hectares cheios de alimento que não custou absolutamente nada a cultivar são abandonados em vez de aproveitados. De seguida ainda inventam um vírus transgénico qualquer, que destrua o amaranto. Afinal quem é que quer alimento gratuito que não dá dinheiro às agroquímicas?

E depois diz-se que precisamos de OGMs para alimentar os famintos. Haverá mentira mais descarada?

Deixo-vos de seguida com este esclarecedor vídeo (em inglês):
"The World According to Monsanto - Controlling Our Food"



"O Mundo segundo a Monsanto"
Vídeo dividido em 12 partes e legendado em português. Assim, para visualizar todos os vídeos, quando terminar esta parte clique (no próprio vídeo em baixo) na imagem da parte que se lhe segue.






LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas