Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

Electricidade e o futuro das barragens


Ou a electricidade de publicitárias modas

O anúncio que a nossa empresa portuguesa de electricidade tem vindo a divulgar desde Abril, na tentativa de transmitir a ideia, de que "Quando projectamos uma barragem projectamos um futuro melhor", incomoda qualquer pessoa que esteja consciente e que sabe que este, não será com certeza o caminho certo, e muito menos para um futuro melhor de quem quer que seja. É que projectar barragens numa altura em que estamos com uma crise e que é anunciadora exactamente da necessidade dessas mesmas mudanças, é algo que está a escapar a esses mesmos responsáveis e que leviana e vaidosamente continuam a tomar decisões, em decisões essas que por tão erradas e absurdas, serão catastróficas para o ambiente de todos nós.

Em notícia no Público:
(…) esta é uma campanha de "desinformação" e … o balanço final das obras será "negativo" para a biodiversidade e gestão sustentável dos recursos hídricos. (...)

Em notícia no DN:
(...) As associações pedem ainda à EDP que, "em respeito pela verdade e transparência, retire esta campanha.
A EDP vai investir, até 2016, três mil milhões de euros na construção de cinco novas barragens e no reforço da potência de seis, passando a produzir energia hídrica suficiente para mais de dois milhões de consumidores.
As cinco novas barragens são as do Baixo Sabor, Foz Tua, Fridão, Alvito e Ribeiradio. (...)

Notícia da Quercus:
É ainda fundamental chamar a atenção que as grandes barragens são uma forma cara e ineficaz de resolver as necessidades energéticas do País. Com o mesmo investimento previsto para o Programa Nacional de Barragens, seria possível pôr em prática medidas de uso eficiente da energia que, sem perda de funcionalidade ou conforto, permitiriam poupar cerca de CINCO VEZES MAIS ELECTRICIDADE do que a produção das barragens propostas.


E porque o sol, o vento e a chuva são de graça, muito se tem vindo a fazer a nível de investigação e no aperfeiçoamento para se pôr mundialmente em prática no que visa às fontes de energia renováveis mais eficazes e económicas que as energias renováveis tradicionais (barragens) e a iniciar-se assim, a adesão ao uso de equipamentos domésticos no aproveitamento da luz solar e do vento. Formas estas de energia que diminuirão a enorme dependência das empresas energéticas, para além da possibilidade (sustentável) de vender o excesso de electricidade doméstica produzida a essas mesmas empresas do ramo energético.

E por tudo isto e muito mais que se viabilizará inevitavelmente para muito breve, será que iremos ter nas nossas paisagens as inúmeras barragens construídas ou em construção, todas ao abandono?

Para já o que fazer?

Há que tomar consciência a enfrentar esta situação e assim sugiro que não cruzem os braços e enviem a quem de direito e divulgando-a o mais possível, a seguinte carta de reclamação:

(…) Será mais útil utilizar os recursos mediáticos para informar sobre eficiência energética e mostrar exemplos concretos nesse sentido, do que fazer este tipo de investimentos em opções do lado da oferta, que já não se coadunam com as necessidades ambientais da época. Estima-se que a adopção de medidas de eficiência energética seria de valor muito superior à da potência instalada nas novas barragens

O que constatou o Estudo da Comissão Mundial sobre Grandes Barragens (estudo que abrangeu um levantamento de 125 grandes barragens, acompanhado por 17 estudos temáticos sobre questões sociais, ambientais e económicas, sobre alternativas às barragens e sobre os processos institucionais e de governo):

- No saldo final os impactos sobre o ambiente são mais negativos que positivos e, em muitos casos, provocam danos significativos e irreversíveis a espécies e ecossistemas. Há destruição de florestas e habitats selvagens, desaparecimento de espécies e a degradação das áreas de captação a montante devido à inundação da área do reservatório. Há redução da biodiversidade aquática, a diminuição das áreas de desova a montante e a jusante e o declínio dos serviços ambientais prestados pelas planícies aluviais a jusante, brejos, estuários e ecossistemas marinhos adjacentes.

- Há impactos cumulativos sobre a qualidade da água e risco de salinização e degradação do solo se essa água for usada na rega.

- Constatou-se também que das barragens estudadas todas emitem gases que contribuem para o efeito de estufa, como ocorre com os lagos naturais, devido aos inerentes processos de decomposição em águas "paradas"; a intensidade dessas emissões varia muito dependendo da localização/ temperatura e condições do local; uma comparação fiável exigiria que fossem medidas as emissões de habitats naturais anteriores ao represamento. Além disso, há emissões não desprezáveis no fabrico do betão usado na construção. (…)
Ver na íntegra >>> Carta de reclamação


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas