Sobre_ ALI_SE
_
a árvore ao jardim
Alice Valente Alves

UM TANTO FAZ DO OUTRORA AGORA

Telemovem-se inscritos na mente de capturas datáveis
Companheiros em companhias mal paradas

Estacionados em bolsos, carteiras e afins espaços, todos eles lado a lado
Tocam e retocam-se em mensageiras ideias sem mais
Reconfortáveis ausências das chegadas que não se virão
Substitutos de um não expresso
Súplicas presenças gastronomicamente consumidas
Uso sem fruto ou fruto sem usos de um tanto faz
Basta não fazer por já feito ao que dita
Inúmeros são os repetitivos répteis gestos
E aceitam-se as de agora corruptíveis malfeitorias
Aprendizes das regaladas e numéricas vias
Ainda assim sugam as peles das acastanhadas rubricas
Tragam-se suspiros e venham eles doravante por experimentar
Ditos e proveitosos sussurros de participáveis e pré-combináveis apertos
E só assim se vêem por aí encostados ou semi-encostados por tantos costados
Membros de esotéricas distracções assumidas à proa destapada
E o vento cabe-lhes na procura de taças simuladas de um outrora escondido
Rédeas soltas aprisionam as ideias nas tomadas de fins à vista
Vidrados telhados de graníticas chuvas por cair
Dias e dias a mais sem achados de tronos comprimidos

Por quantos dias que não se acham

2 0 0 6 _ 0 1 J U L H O : WORK IN...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Páginas